Em meados de 1929, engenheiros e comerciante arquitetaram um elemento que permitia a circulação de ar. Movidos pela necessidade de amenizar as altas temperaturas nordestinas Amadeu Oliveira Coimbra, Ernest August Boeckmann e Antônio de Góes juntaram a primeira sílaba de cada sobrenome e batizaram a peça como COBOGÓ.

Projeto produzido pela nossa designer de interiores Laise.

Inspirados por componentes da arquitetura árabe, esse elemento teve seu ápice na década de 50, quando foi difundido pelo arquiteto Lúcio Costa, na construção de Brasília.

Apesar de ter desaparecido por muitos anos, voltou com força total nos projetos de arquitetura e interiores mais recentes. Este elemento vazado permite melhor ventilação e passagem da luz, além de compor a decoração e dividir parcialmente o ambiente.

No início, os cobogós eram fabricados apenas em cimento, mas atualmente encontramos opções em cerâmica, madeira, vidro, mármore, aço e outros materiais, além das diversas cores e estilos disponíveis. São utilizados para dividir, proporcionar privacidade, conferir beleza e imprimir personalidade ao ambiente.

Antes de apostar em formatos “diferentões” e cores muito vibrantes, o ideal é que o projeto seja harmônico. Então é importante saber qual será a personalidade do ambiente, por exemplo, se é uma sala mais sofisticada, cores mais neutras caem bem; se for uma área de lazer descontraída, podemos utilizar cores mais vibrantes e formatos mais alegres. Lembrando é claro, que toda escolha deve ser feita de acordo com a personalidade do cliente e com a orientação de um profissional.

Que tal transformar seu ambiente se inspirando nos Cobogós? Cada cantinho pode contar uma história rica em detalhes e cultura, traduza essa emoção no seu ambiente.

Texto por Sara Aires.